Carregando carrinho...
Ver carrinho Finalizar compra
Subtotal::

Suas compras em até 6x sem juros ❤ Dispensar

blog-thumb-2

Tahiti: paraíso de ondas perfeitas e água cristalina

No Blog, em agosto 15, 2018 - 16:38


O Tahiti Pro Teahupoo abriu a sétima etapa do World Surf League Championship Tour e não poderíamos deixar de te mostrar a vibe deste lugar. Um verdadeiro paraíso na terra com tubos de água cristalina, tão azul quanto o céu e ondas perfeitas.

Tahiti paraíso de ondas perfeitas

Teahupoo, a onda dos crânios quebrados. Foto: WSL

Teahupoo, sem dúvidas, é uma das ou quem sabe a onda mais casca grossa do planeta. Para chegar no pico (local onde os surfistas pegam a onda) já uma grande aventura, pois é preciso pegar um barco. A bancada de corais já intimida pela rasa profundidade, um caldo (queda da prancha na onda) pode ser mesmo fatal.

Jordy Smith surfa nas ondas perfeitas do Tahiti

O surfista sul-africano Jordy Smith clicado no momento do drop. Foto: WSL

A surfista de ondas grandes Maya Gabeira já passou sérios apuros em agosto de 2011, quando encarou o mega swell chamado de Code Red, provavelmente o maior da história do Tahiti, com ondulação de 15 pés e período de 15 segundos. Esses números significam que a onda era realmente potente e rápida.

Paraíso de ondas perfeitas

O palanque da WSL entre os corais e as montanhas. Foto: WSL

Já deu pra sentir a vibe do surfe e, mesmo assim, é um dos lugares mais procurados pelos surfistas. Teahupoo fica em uma vila na costa sudoeste da Ilha do Tahiti, na Polinésia Francesa, em meio a paisagens deslumbrantes, cercada de montanhas, praias de areia branca, s em contar os nativos que são bastante acolhedores.

Jack Fristone nas ondas perfeitas do Tahiti

Ondas potentes e bancada rasa de corais: combinação fatal. Na imagem, o surfista havaiano Jack Fristone. Foto: Kelly Cestari / WSL

A melhor temporada para o surfe (o casca grossa) vai de abril a outubro quando o swell entra bonito e as ondas quebram de 4 a 15 pés. Já para quem quer pegar umas ondas sem muito risco só chegar entre os meses de novembro a março, onde as ondas podem chegar entre 3 a 8 pés.

Os principais picos são:

Vairao – Um reef breck para a esquerda, onda longa e cavada;

Maraa – Onda rápida e pesada que quebra para os dois lados, esquerda e direita;

Taapuna – Neste pico funciona bem três sessões, sendo a primeira com ondas longas e rápidas; a segunda sessão já é mais curta e a bancada mais rasa; a terceira funciona raramente e é muito perigosa;

Tamae – Para os regulares, uma direita longa e consistente, considerada uma das melhores da Polinésia;

Haapiti – Para quem gosta de remar até o pico, vale a caída, pois é uma esquerda grande e potente;

Para levar na mala, um kit para remendo na prancha (as ondas são fortes, portanto é fato que você vai quebrar sua prancha), protetor solar (básico), repelente e botinhas de coral. Vale a pena também levar máscara snorkel, câmera è prova d’água e beber bastante água entre as sessões de surfe. Lycras e wetsuits leves e estojo de primeiros socorros. Os corais são venenosos então deve tomar bastante cuidado com infecções.

No quiver (o conjunto de pranchas), pranchas para ondas cavadas de 3 a 18 pés de tamanho, leash (cordinhas) bem resistentes e com diversos tamanhos, é sempre bom.

Tahiti paraíso de ondas perfeitas

A tradicional cerimônia de boas vindas dos polinésios. Foto: Kelly Cestari / WSL

A capital do Tahiti, Papeete, possui lugares em conta para hospedagem, que cobram cerca de 50 dólares, apenas para dormir. Na Ilha de Moorea, que fica ao lado, existem outros lugares que pagam entre 30 a 40 dólares a noite. Mas pode separar até uns 100 dólares por dia incluindo refeição, a boa é viajar, no mínimo, em dupla para poder dividir as despesas.

Tahiti paraíso de ondas perfeitas

O final de tarde na Polinésia Francesa. Foto: WSL

Para comer, a opção mais econômica são as lanchonetes, pois as refeições são caras. No entanto, os trailers que ficam próximos à praia, em Papeete, servem diversas opções com preços mais acessíveis.

Alguns detalhes como, falar um pouco de francês para se comunicar com os locais, separar uma grana para alugar carros e barco fazem toda a diferença. O transporte no Tahiti não é barato, bem como as pranchas também são caras, pois o governo local controla a entrada de saída dos equipamentos nos aeroportos.

Pronto, com estas dicas agora é só arrumar as malas e partir para o Tahiti. E como o lugar é tropical, não esqueça de levar roupas leves, tênis e rasteirinhas que você encontra em nossa Goofy Store.